Olha eu aqui mais uma vez!!! Quem está desavisado sobre, o mês de agosto todo será de posts do Literaturando em homenagem a 18ª Bienal Internacional do Livro Rio e essa é a parte dois. Caso tenha perdido o primeiro post do Especial Bienal do Livro, você pode conferir ele clicando em Parte 1.
 Dessa vez, trouxe uma das coisas que eu sempre faço durante a época da Bienal, ou seja vou dividir com vocês a minha wishlist de livros. 
 Quem me conhece pessoalmente sabe que tenho a fama de fazer booklists gigantes, mas especialmente devido a essa crise, a lista foi compactada para apenas uns 31 livros. Dentre os quais espero conseguir comprar 10 na Bienal. MAS isso é negociável porque na última edição, adquiri 30 livros e levei a falência a minha mãe.  Em geral o meu objetivo desse ano é não gastar tanto lá.
 As fotos daí de baixo são só para vocês verem. Tem apenas uns 3 ou 4 que eu sei que não vou achar lá porque são livros que estão em inglês e bom eu nunca achei nenhum livro em inglês para comprar por lá. Se alguém souber, por favor, comente que eu dou uma passada por lá.





 Isso é só para vocês terem uma noção de quantos títulos novos eu estou querendo adicionar a minha coleção. Para vocês sentirem mais profundamente o meu dilema, vou por em tópicos alguns dados da minha wishlist. 
  • Editoras: são 18 editoras diferentes. Esse ano as editoras que tiveram livros que mais me chamaram atenção foram a Galera Record (com 5 livros na lista), Paralela (com 4 livros), Intrinseca (com 3 livros), seguida por Globo Alt e Rocco (ambas com 2 livros na lista), todas as demais conseguiram emplacar apenas um livro para a lista.
  • Autores: são muitos autores diferentes, mas dessa vez estão se destacando Anna Todd (com 2 livros) e Adam J. Kurtz (com 2 livros), Rachel Corn e David Levithan (com 2 livros) e a linda da Rupi Kaur é quem tem mais livros na lista (com 3 livros).
  • Coleções/Sagas/Séries: ultimamente o meu foco é não me embrenhar por livros desse tipo de categoria porque eu sempre sofro com a quantidade de livros que tem para comprar e com a espera para lançarem os próximos livros. Como eu estou fugindo disso, só quero comprar os dois últimos livros de Série After da Anna Todd e descibri que um dos outros livros na lista é de uma Série que ainda não tem nome definido. 
 Acredito que você tenha ficado curioso sobre como eu faço essa minha wishlist de livros para a Bienal. Eu faço uma tabela no Word com os campos que eu desejo saber sobre os livros e vou preenchendo. Para facilitar você (olha como eu estou sendo uma flor de pessoa), eu montei uma tabela no estilo das que uso e estou disponibilizando para vocês fazerem o download.


 Espero que não tenha assustado vocês com a quantidade de livros que eu desejo. Enquanto vocês aguardam pelo próximo post, curtam os links para: o meu Instagram e o Instagram do blog, o Twitter, meu  canal no YouTube e os vídeos de Jay & Mi, e escolha onde ler a fic clicando aqui. Beijocas, amores. 🌻

 Olá, pessoa linda. Não me mate pelo sumiço. Foi pelo bem maior da minha vida acadêmica, é sério. Agora eu estou mais livre e 100% de volta para o blog. Vou postar tanto que você vai querer que eu não post mais. Brincadeiraaaaaaaaa!!!
 O logo da foto é da edição do ano de 2015, mas no fim desse mês começa a 18ª edição da Bienal do livro que em poucas palavras é o meu evento favorito de todo o mundo. Para quem chegou recentemente no planeta Terra e não sabe do que eu estou falando, pode deixar que eu explico. A Bienal do Livro é um evento literário que acontece de dois em dois anos no Rio de Janeiro (tem edições em outros estados do Brasil). A organização do evento sempre tem um país ou autor que é homenageado durante o evento. Geralmente, escritores, roteiristas, cartunistas, jornalistas e etc, são convidados para palestras, debates e sessões de autógrafos. E é claro que as grandes, pequenas, médias e independentes editoras/lojas expõem e vendem seus artigos que são em 99,9999999999999% dos casos livros.
 Para quem não sabe eu simplesmente AMO a Bienal do Livro e por isso decidi que esse mês o blog será somente dedicado para a Bienal do Livro. Toda sexta vai ter um post Literaturando mas será totalmente voltado para a Bienal. Começando por esse post que tem como finalidade falar sobre o evento e dar algumas informações.
 Como sempre, ou pelo menos desde que eu vou nesse evento, ele será realizado no Riocentro que é um lugar gigante (para você ter uma ideia do tamanho do local clica aqui para ver o mapa do evento), vai do dia 31 de agosto até dia 10 de setembro. Já vai olhando a sua agenda e arrumando aquele tempinho para conferir. Os mais apressadinhos, ou não porque só faltam 26 dias para o primeiro dia,  já podem adquirir um ingresso para o evento. Na imagem abaixo, você pode conferir melhor sobre o evento. 


 Até o momento em que este post foi escrito (31/07), os seguintes autores já estavam com a presença confirmada na Bienal: Abbi Glimes, Jenny Han, Karin Slaughter, Gayle Forman, Nuccio Ordine, Pepetela, Paula Hawkins, Sofia Silva, Carl Hart, Charles Duhigg, Leisa Rayven, V.E. Schwab. Viu algum nome que gostou? Ah, mas se prepare porque sempre tem um ou outro autor que é convidado pela sua editora para ir ao evento assinar livros dentro da exposição da editora. 
 A Bienal tem uma programação cultural beeeeeeem agitada durante todos os dias que está ocorrendo. Eles realizam: o Café Literário, atividade infantil, Arena #SEMFILTRO, encontro com autores e conexão jovem, Fórum de Educação, geek & quadrinho e o encontro internacional de profissionais do livro. Para saber mais sobre cada programação cultural é só clicar no nome dela. De nada! 😉
 Para facilitar vocês estou disponibilizando uma maneira bem mais rápida de ter acesso aos links do próprio website da Bienal para uns assuntos que devem interessar a todos vocês:
 Caso ainda permaneçam dúvidas você pode clicar aqui e será direcionado para o website do evento, lá eu tenho certeza que você vai se encontrar melhor. 
 Espero que tenham gostado desse post e que fiquem ligados no blog para mais novidades relacionadas a Bienal, ainda tem muita coisa boa vindo por aí. Ah, antes que eu me esqueça, até a próxima sexta-feira, podem usar o meu Instagram e o Instagram do blog, o Twitter, meu canal no YouTube e os vídeos de Jay & Mi, e escolher onde ler a fic clicando aqui, para passar o tempo. Beijocas, chuchus. 🌻


   Um mês antes da Bienal eu estou aqui para apresentar a vocês uma das minhas autoras favoritas: Rupi Kaur. Essa linda da foto aqui do lado é ela.

   Rupi Kaur é indiana que quando criança migrou com sua família para o Canadá. Aos 5 anos, ela começou a desenhar e pintar, assim como a sua mãe faz. Até ela aprender as línguas oficiais do Canadá, era muito introvertida, porém assim que o fez tornou os livros os seus melhores amigos. Aos 17 anos, Kaur troca o desenho e a pintura por cadernos e mais cadernos onde ela conta as suas experiências na forma de poesias. Os temas frequentes nos seus trabalhos são: feminilidade, amor, perda, trauma e cura. 

   A editora Planeta do Brasil, já publicou um livro de Rupi, o Outros Jeitos de Usar a Boca. Esse já dá para comprar antes da Bienal. E, mais recentemente, o selo Lua de Papel, da Editora Leya, traduziu e publicou uma versão em português do livro "Leite e Mel" (é o mais recente e Kaur o divulga pelo mundo), mas como o selo é de Portugal, ainda deve demorar para esse livro aparecer por aqui. Que ele venha antes da Bienal.

   Eu a conheci em um post do Instagram que estava na área do explorar. Desde que li algo dela me apaixonei de cara. A forma como ela escreve me conquistou muito sério.  Aqui seguem algumas fotinhas de uns poemas dela para eu provar para vocês como ela é incrível. Estão em inglês porque a resolução desses poemas em português não era boa. 



   Espero que vocês tenham amado a Rupi (eu já fazendo a friend dela) tanto quanto eu a amo. Para facilitar que vocês não percam contato com ela é só se ligar nessa listinha aqui: Instagram, site, Facebook, Twitter e YouTube. E quem quiser adquirir os livros dessa deusa, é só clicar aqui e aqui.

   Foi um prazer apresentar essa autora maravilhosa à vocês. Já sabem o que fazer para não perder contato, só ficar de olho nesses links: o meu Instagram e o Instagram do blog, o Twitter, meu  canal no YouTube e os vídeos de Jay & Mi, e escolha onde ler a fic clicando aqui. Beijocas, até a próxima.


   Demorei mas finalmente ouvi o novo álbum do Paramore e vim aqui resenhar ele.  Só posso diz uma coisa: olha que mudança!!!!
   Quando eles lançaram o single "Hard Times", uma porta para um som diferente, mais muito diferente mesmo, se abriu. Veio uma enchurrada de inovações carregadas de tudo que há de bom. Acredito que eles fizeram um álbum bem good vibes (provavelmente minha definição de good vibes é bem alternativa e particular) com as letras mais não good vibes, porque muitas letras vão lá no fundinho do coração e tocam tudo que tem lá. O que não é uma novidade em si porque as letras deles sempre foram desse jeito.
   Esse álbum tem uma proposta diferente de todos os outros, mas eles mesmos disseram estavam cansados de fazer o mesmo tipo de som e também queriam mostrar mais de si mesmos com outras influências que eles têm. Tem um som bem anos 80, 90 e 00 em todas as músicas e é impossível não terminar com, pelo menos, uma música grudada no fundo da sua mente.
   As músicas do álbum foram compostas por Hayley Williams, Taylor York e Zac Farro. Não é um álbum para ser apenas ouvido, mas sim apreciado pela obra que é. "After Laughter" é o resultado de períodos de depressão vividos pelos integrantes da banda em um determinado momento de vida deles. Acho muito importante ver resultados positivos vindos de momentos escuros pelos quais todos nós passamos pelo menos uma vez durante a vida. As letras de todas as músicas carregam mensagens que tornam impossível o não reconhecimento de nós mesmos em algumas situações de nossas vidinhas. Fiquem com isso em mente ao lerem a resenha e escutarem o álbum.
   Agora eu vou mostrar minha análise das minhas músicas favoritas do disco deles. Foi muito dificil escolher mais eu consegui.
  • "Hard Times": É o primeiro single dessa nova era. A melodia é dançante, a letra é perfeita. O fim da música me fez pensar em Daft Punk. Desde o início já dá vontade de dançar e cantar junto. Outra coisa que gosto é o clipe dessa faixa, super colorido. Você pode assistir ao vídeo aqui em baixo.

  • "Rose-Colored Boy": O começo me lembra músicas antigas e, rapidamente, penso no clássico High School americano bem filme e todo cliché. De novo um instrumental maravilhoso e super dançante. A letra é bem diferente e adoro como ela reflete a vontade de apenas sentir quaisquer que sejam os nossos sentimentos. A potência da voz da Hayley me lembra do pop-punk que eles começaram.
  • "Fake Happy": Amo como o início dessa música é um tiro nos nossos corações com a voz de Hayley bem natural, chega a cortar o coração, mas aí boom! a melodia animada começa. A letra é bem impactante. Essa faixa é literalmente um hino perfeito sobre felicidade falsa, fingida que todos muitos aparentam. É realmente como eu disse, a letra é profunda. 
  • "26": O titulo dessa musica é o meu número favorito, então quando fui ouvir tinha minhas expectativas bem no alto e olha eles não me desapontaram. A melodia é bem fofa e é a mais lenta de todo o álbum. Hayley disse em uma entrevista que essa é uma música que conversa com a sua versão mais jovem e que buscou inspiração para a escrita com base no que gostaria de dizer para pessoas que estivessem passando pelo mesmo tipo de situação que ela vivenciou. 
  • "Pool": Ah o amor. Nessa música ele é uma piscina. A letra faz uma analogia com a forma como as pessoas mergulham de cabeça no amor, mas não do jeito bom, pois a ideia é justamente mostrar que não é fácil amar. Hayley quis mostrar esse lado escuro do amor e sobre como ainda lutamos por ele mesmo quando estamos cansados de nadar em busca desse porto seguro na pessoa amada.
  • "Caught In The Middle": Amo como essa música define todas as crises existenciais que já tive. "Caught In The Middle" é um hino que representa todas as incertezas da vida, os medos sobre o futuro. Acho que ela define bem essa relação que as pessoas ansiosas, ou não, tem com a sociedade. Uma das minhas partes favoritas é a ponte, principalmente porque me identifico muito com essa parte a letra: 
"No, I don't need no help
(não, eu não preciso de ajuda)
 I can sabotage me by myself
(eu posso me sabotar sozinha)
I don't need no one else
(eu não preciso de ninguém)
I can sabotage me by myself
(eu posso me sabortar sozinha)"

*tradução livre feita por mim*

   Essas foram as minhas faixas favoritas desse lindo e incrível álbum que Paramore presenteou o mundo. Desde as melodias até as letras, nada pode ser considerado ruim. Quem amou essa nova fase pode escutar "After Laughter" no Spotify clicando bem aqui. Por favor, fiquem de olho nesses links: o meu Instagram e o Instagram do blog, o Twitter, meu  canal no YouTube e os vídeos de Jay & Mi, e escolha onde ler a fic clicando aqui. Para me despedir de vocês, eu vou deixar esse print de um comentário que resume muito bem a minha opinião sobre esse álbum mais que lindo de Paramore.


   Morta de saudades eu estava de escrever posts em que eu resenho alguma coisa, principalmente uma Resenha Musical. Pois bem, dedico esse post para essa coisa que eu amo fazer que são as resenhas musicais. Demorou um tempo para esses posts voltarem porque estava sem nenhum tipo de fone, eu sei, eu sei, momentos muito muito tristes.
   Sem mais delongas, vos trago hoje o álbum de ninguém menos que Harry Styles, diga se de passagem o meu favorito da One Direction.
Bora lá conversar sobre esse hinário.
   O disco é o primeiro trabalho solo de Styles contém dez faixas com um total de zero feats. Harry é solo mesmo, sem collab. Mas o que não faltou foram colaborações nas composições, pois não há nenhuma música desse disco foi escrita 100% por Harold, todas tem pelo menos um co-autor.
   Apesar de ter uma vibe, no geral, alternativa o gênero é pop. Antes mesmo de lançar o primeiro single "Sign of the Times" e o álbum, as poucas pessoas que tiveram acesso ao trabalho já começaram a apontar as influências de grandes artistas, como: Elton John, Queen e os Beatles, sendo os responsáveis de tornar o som vindo de Harry algo digno de ser chamado de obra prima. 
   Agora vamos lá para o que interessa, vou compartilhar o que achei dessas 10 músicas. 
  • "Meet Me in the Hallway": Os violões dessa musica sao ótimos. Assim que a musica começa você sente uma vibe de misterio e ao mesmo tempo uma sensação de que está ouvindo um acústico. A voz solo de Harry ganha novas dimensões, é muito envolvente e dá para sentir a entrega dele ao cantar. A letra dessa faixa é super intensa pois fala de um relacionamento com uma pessoa que não se abre muito e Harry canta sobre como é doloroso ter que sempre ficar a espera de uma abertura. 
  • "Sign of the Times": Foi o single que marcou a volta dele as paradas de sucesso. Esta música inicialmente me chocou, pois a sua letra é de uma veracidade tangivel. Ela consegue traduzir exatamente como nos sentimos (pelo menos como eu me sinto) atualmente - sempre na eminencia de algo ruim e como se o fim de tudo estivesse próximo. Styles nessa canção consegue passar todo esse sentimento e realmente se entrega. Aqui embaixo vocês podem conferir o videoclipe dessa música que é com toda certeza um hino.
  • "Carolina": dizem as más línguas  que essa faixa foi escrita para uma fã, Townes Adair Jones (porque as Directioners são tudo agentes do FBI e da CIA), que ele viu apenas uma vez e tal menina é de um dos dois estados da Carolina lá nos EUA. A letra é leve, a melodia é bem gostosa. Sempre que ouço essa música, sinto como se ela fosse de um filme.
  • "Two Ghosts": mais uma faixa que eu não me espantaria nem um pouco se a ouvisse em um filme ou série. Gosto muito de como a sua melodia é algo que não parece novo, sabe quando você sente como se fosse algo familiar? Pois é assim que me sinto quando ouço essa música, uma mistura de "sempre te ouvi" com nossa que "guitarrinha gostosa". Eu adoraria dizer que essa é uma música específica para alguém, mas nem os fãs conseguem se decidir se é para Taylor Swift ou se é para o Louis Tomlinson. Diante de tanta indecisão fico com a resposta do Harry quando fizeram esse tipo de pergunta: "[...] self-explanatory".
  • "Sweet Creature": essa é uma música que desde que ouvi associei a Gemma, irmã de Harry. O tipo de amor que essa música me traz é um amor que não é o mesmo que um casal vive. Já li em uns lugares dizendo que a mãe dele chora com essa música, então eu realmente acho que é algo relacionado a sua família. Ah, só como curiosidade o nome da música é tirado de um fala escrita por ninguém menos que William Shakespeare em Othello.
  • "Only Angel": essa é a música que me iludiu muito, pois logo no começo tem um piano e fundo mais calmo que lembra muito a melodia de "Sign of the Times", mas do nada você escuta a voz poderosa de Harry acompanhada de uma melodia mais pesada em relação a anterior. A vibe é super influenciada pelo rock dos anos 70. Supostamente a música é sobre Kendall Jenner, agora é ela é uma das Angels da Victoria's Secret e a música fala sobre anjos então é só ligar os pontos. Curiosidade é que a primeira estrofe foram escritas por Charles Bukowski e que estão no filme Barfly, ou em português Barfly - Condenados pelo vício. Harry é muito fã desse poeta e de diversos modos o homenageia. 
  • "Kiwi": é música que demonstra a versatilidade de Styles. Com certeza é a música mais rock n roll desse álbum. O título diz Kiwi, mas não se enganem, não é sobre a fruta (como muitos acharam), não é sobre um passáro que não pode voar comum da Nova Zelandia, muito menos sobre os Neo Zelandeses (Kiwi é um termo coloquial que os gringos usam para se referirem a eles, tipo Aussie para os Australianos). A música fala sobre uma mulher (supostamente uma atriz neo zelandesa) bem bem bem bem bem rebelde pela qual ele se sentre atraido e que mesmo sabendo que ela faria de tudo para mante-lo ao seu lado (tipo dizer que está grávida dele, como o refrão da música diz), ele decide pagar para ver, ou seja, mesmo sabendo que no final ele vai acabar pagando caro por essa aventura. 
  • "Ever Since New York": aconteceu algo em NYC para mudar a vida desse menino. Sem dizer o que ou quem aconteceu, ele escreve uma música sobre o que dizem sobre ele e sobre como o que dizem não condiz com a verdade. ele passa a música toda pedindo que lhe digam algo que ele já não saiba. Mais uma vez, supostamente sobre a Taylor Swift e essa poderia ser a sua resposta final sobre esse momento de sua vida. Eu prefiro acreditar que seja sobre todas essas coisas que a mídia diz sobre os artistas, sempre buscando criar noticias quando publicam os rumores e nem sempre se preocupando em saber a veracidade dos rumores. 
  • "Woman": é a música mais sexy que desse disco. Tudo nela é muito bom e envolvente. A vibe rock mas que faz querer curtir a música com uma outra pessoa. Vou logo avisando que é sobre ciúmes, parece que Styles não sabe lidar muito com o fato da ex dele ter um cara agora porque ele ainda gosta muito dela. A intro dessa música fala sobre Netflix e foi gravada por um YouTuber chamado FrankJavCee, se você clicar aqui pode ver o Frank comentando sobre a sua aparição nessa faixa do disco. Harry disse em algumas entrevistas sobre o processo criativo desse álbum e durante esse momento ele e os componentes de banda faziam maratonas e mais maratonas de comédias românticas (é o gênero de filme favorito de Styles) em que no fim de cada filme eles tinham que escrever músicas sobre item assistido. 
  • "From the Dining Table": é uma música bem gostosinha de ouvir e tem um quê de adeus. você consegue sentir nela a despedida com um pouco de nostalgia. Esta é claramente sobre uma pessoa pela qual ele ainda tem sentimentos, mas que o relacionamento deles não vai voltar mesmo que ele queira muito ela não vai ligar pedindo desculpas (ele diz algo do tipo na letra). Ou seja, mais uma música de dor de cutuvelo. 
   Parece que o menino Harry arrasou na sua estreia não é? Pois quem gostou pode escutar o álbum no Spotify clicando bem aqui. Não esqueçam de comentar qual é a sua música favorita ou de me contar qual é o seu boy da One Direction favorito. Ah, fiquem de olho nesses links: o meu Instagram e o Instagram do blog, o Twitter, meu  canal no YouTube e os vídeos de Jay & Mi, e escolha onde ler a fic clicando aquiAté o próximo post!!! 

Oi pessoal!!! Tudo certinho? Comigo tudo lindo. 

Esse post é para fazer uns avisinhos e falar sobre umas novidades. Então vamos lá!!!!

Primeiramente, avisando de um pequeno detalhe no blog. Provavelmente vocês nem repararam nele.



Bem onde está essa setinha e a linha vermelha, se encontra a mais nova página do blog. 

Nessa nova página, eu estou disponibilizar todos os links de onde eu posto as minhas estórias. Por enquanto, só tem informações sobre a LiveSOS: The Memories, mas em breve deve ter mais sobre uma outra estória que deve brotar em breve.

Por falar na fanfic, eu vou aproveitar para avisar que ela está publicada no Social Spirit e que se clicar aqui você pode ler ela lá.

Segundo aviso é sobre o meu projeto de falar sobre itens de papelaria. Finalmente, decidi um nome. Vai continuar se chamando Anmi Writes. Aqui em baixo vocês podem ver o logo dele. Estou esquematizando tudo para fazer as primeiras postagens.


Super fofo ele, não?

Aviso de número três!!! Vou começar a compartilhar minhas desventuras pelo mundo da cosmética. Isso significa que tudo que tudo o que eu arrumar de produtos de cabelo, pele, maquiagem e etc, vou mostrar para vocês e contar sobre os resultados e tal. Fiquem de olho aqui, no meu canal do YouTube e no meu Instagram.

Isso é tudo o que temos neste post. Obrigada por lerem!!! Fiquem ligados nesses links para verem mais coisas: o meu Instagram e o Instagram do blog, o Twitter, meu  canal no YouTube e os vídeos de Jay & Mi, e escolha onde ler a fic clicando aqui. Beijocas!!! 😘